terça-feira, 18 de abril de 2017

Bate-papo: Eu tenho depressão


Eu só entendi o que era depressão quando descobri que tinha depressão. Longe de mim julgar as outras pessoas, mas na minha cabeça sempre pareceu mais fácil do que realmente é. Na minha cabeça, na verdade, nunca fez sentido uma pessoa não sentir vontade de levantar da cama. Não sentir vontade de estudar e trabalhar muito para, pouco a pouco, alcançar a sonhada ''carreira de sucesso''. Não sentir vontade em praticar atividade física e cuidar da alimentação, afinal, ter autoestima é ter quase tudo na vida. Certo? Errado.

O que significa ter autoestima quando você não consegue ao menos encontrar um sentido para continuar vivendo? Esse tipo de preocupação se torna irrelevante e questões mais profundas cercam a vida de pessoas depressivas. Eu tenho familiares, amigos e pessoas mais próximas que convivem diariamente com a depressão. E é curioso porque, mesmo familiarizada com a doença e suas consequências, eu nunca entendi o que exatamente era ter depressão. Até o dia em que a ficha caiu, eu tinha depressão!

Coloquem uma coisa na cabeça de vocês, porque ninguém me avisou sobre isso antes. Não é normal não querer sair da cama. Não é normal não querer sair de casa. Não é normal não querer tomar banho e não se importar com a sua aparência. Não é normal não querer trabalhar. Não é normal não querer se relacionar com outras pessoas. Não é normal não querer limpar a sua bagunça (e não enxergar a bagunça). Não é normal não querer estudar. Não é normal não querer ir nas aulas. Não é normal não se importar com datas atrasadas, compromissos e responsabilidades. Não é normal passar o dia inteiro em frente a um computador e  preferir o mundo virtual. Não é normal chorar mais do que sorrir. Não é normal pensar em morrer. Não é normal pensar em formas de morrer. 

Infelizmente, como falei acima, eu não pude ser o melhor ombro amigo quando as pessoas que conhecia enfrentaram a doença. Mas hoje eu posso e, mais do que isso, posso ajudar você a se tornar um ombro amigo também. Antes de tudo, se preocupe menos com o entendimento e mais com o apoio. Essa pessoa precisa de uma ajuda profissional, mas principalmente da sua ajuda. O apoio de familiares, amigos e pessoas mais próximas será fundamental no tratamento e para que não cometa o suicídio. 

Não a julgue! Ela sabe de sua realidade e, assim como você, não está satisfeita com ela. A diferença é que não tem forças para mudar e por isso precisa de ajuda. A cada julgamento e olhar crítico você apenas está agravando cada vez mais a doença. Um vídeo que assisti recentemente, e fala muito bem sobre o assunto, é o vídeo do Felipe Neto (clica aqui). Em uma rápida pesquisa também descobri que o Brasil é o país com mais depressivos de toda a América Latina, fonte Agencia Brasil. E você, vai ser um ombro amigo ou um julgador?


Depois de não conseguir sair de casa para pagar contas atrasadas, mesmo com dinheiro em mãos e morando há 5 minutos do caixa eletrônico mais próximo, decidi que eu precisava falar sobre o assunto. E não, a série 13 Reasons Why não é o gatilho. O gatilho é a sociedade e a forma como as pessoas tratam a doença. Mais uma vez, não é normal. Não é normal! Não é falta de trabalho. Não é falta de Jesus. Não é falta de amigos. Não é falta de dinheiro. É uma doença, simplesmente aceite e faça a sua parte.

Relatos que tenham relação com o tema abordado serão muito bem-vindos! Para quem tiver interesse de contar a sua experência em particular pode entrar em contato pelo e-mail carolinacostameulam@hotmail.com. E lembrem, tudo passa.

6 comentários:

  1. Amiga, que texto maravilhoso! Você expôs direitinho o que a pessoa passa: não com a doença eu digo, mas com julgamentos alheios. "É falta do que fazer", "é falta de trabalho", "é falta de DEUS!" Meu deus, essa ultima me doi o coração! Como alguem tem coragem de falar uma coisa dessas?
    Espero que você esteja melhor e continue melhorando, conta comigo ♥

    Beijocas.
    Dossiê de Verão

    ResponderExcluir
  2. Depressão é a doença do século, tive e nãi aceitava... até que resolvi me tratar e consegui vencer!
    Não desista e vá até o final, somos muito mais do que isso! Conte comigo.

    ResponderExcluir
  3. Poxa é uma situação difícil, as vezes não sabemos como falar e como agir, acredito que sempre é bom dialogar, ouvir, dizer para a pessoa seguir em frente e mostrar a ela que sempre terá um amigo pronto para ouvi-lo e ajuda-lo.

    ResponderExcluir
  4. As pessoas precisam entender que depressão não é besteira como vc disse não é normal sentir tudo q falou... Eu tenho transtorno de ansiedade desde pequenininha e acabei por desenvolver depressão a cerca de 3 anos e é a pior sensação do planeta... Hoje em dia faço tratamento com terapia holística e tem me ajudado super... Claro que tenho dias ruins mas vivo um dia de cada vez... Precisando de um ombro estou aqui... Posso não ajudar mas posso te ouvir... bjs

    ResponderExcluir
  5. eu ja tive bom na vdd eu mesma n sabia q eu tinha so sei q foi uma epoca que eu chorava por tudo só dormia e chorava mais eu na minha visao sempre achei q era de mim mesma pq sempre fui meio "sensivel" pra algumas coisas mais isso si tornou rotina ainda passo por uns tempo de recaida mais sempre tento me apegar algo q me faz bem

    ResponderExcluir
  6. Você expressa tudo que uma pessoa passa principalmente os julgamentos! Só sabe quem passa

    ResponderExcluir

Sobre

Carolina, mais conhecida como Carol. 22 anos. Aquariana. Porto-alegrense. Formada em Web Designer. Graduanda em Produção em Mídia Audiovisual. Saiu de casa com 17 para entrar na Universidade.

Newsletter